Sexta-feira, 16 de Maio de 2008

Au revoir...

16 de Maio de 2008, 19h42 (hora de Paris)

Aqui estou eu, a poucas horas de regressar a Portugal, e desejosa por o fazer, de ver a minha familia e amigos sem ter de ser com hora marcada para voltar. Posso no entanto dizer que ficou a experiência, e que foi muito positiva, apesar de todos os contratempos e adversidades que surgiram, o balanço final é positivo. Conheci um Mundo novo, novas pessoas, novos customes, colegas fantasticos (principalmente os portugas com os quais em tão pouco tempo consegui um clima 5*). A nível de trabalho, só tenho que dizer que foi muito bom, uma grande mais valia, abri os horizontes para uma realidade diferente, uma forma de trabalhar muito diferente, em que acima de tudo impera a organização. Sinto que foi 1 mês de meio de crescimento para mim, como pessoa e como profissional. Para além disso tudo, ainda fiquei com este desejo enorme de voltar (a PT) e a dar mais valor a tudo que lá deixei. Em suma, ainda bem que aceitei a proposta de vir, ainda bem que ultrapassei a dificuldades de fiquei.

Levantar voo no aeroporto de Orly SUD

 

Até ao meu regresso!!

Beijos,

Lucy

sinto-me:
Pensado por Lucy às 18:41

Link do pensamento | O que pensas tu? | favorito
Terça-feira, 13 de Maio de 2008

Faltam 3 dias...

 

Pois e, faltam finalmente três dia para o meu regresso à terra de Camões, nunca pensei gostar tanto de voltar...como já é tarde, e tou super cansada fico-me por aqui e deixo umas fotos da Tour Effiel, amanhã se tiver tempo fala sobre a história da mesma.

 

 

sinto-me:
Pensado por Lucy às 23:33

Link do pensamento | O que pensas tu? | favorito
Segunda-feira, 5 de Maio de 2008

Dia da Mãe

Domingo foi dia da mãe, em 27 anos de existência não me recordo de um só dia em que não estive presente nesta data junto da minha mãe. Pois questões profissionais, este ano não estive, encontro-me a alguns milhares de kms de distância, no entanto deixo aqui um post sobre os dias das mães e para a minha mãe.

 

 

Mãe, tua bondade e ternura falam-me de Deus-amor!
Mãe, tu faz-me sentir a vida, a beleza das cores, a harmonia, o encanto e a doçura!

Mãe, hoje quero dizer-te um segredo muito especial: eu adoro-te!
Eu sei também que, de teu coração, brota sempre um gesto novo de amor e carinho! tu és capaz de esquecer o sofrimento e a dor para me veres feliz!

Hoje, quero fazer por ti uma prece muito bonita e sincera: Meu Deus, abençoa esta criatura tão encantadora que me deu a vida. Abençoa esta mulher, amiga, minha mãe, hoje e sempre!

Mãe, tu és o maior bem que eu tenho neste mundo! Olhando o céu aberto, contemplo o grande tesouro de paz, sabedoria, paciência, bondade, ternura e acolhimento que permeia o seu ser.

Tu me fazes crer, minha mãe, que esta vida vale a pena ser vivida, quando entregue por amor! Às vezes, quando a vida começa a ficar mais difícil, pensando em ti, mãe, surge uma nova esperança e meu olhar começa a brilhar.
Tu esperas-me sempre de braços abertos o filho e a filha que precisam mais uma vez do seu aconchego, de sua compreensão e carinho, como se fosse a primeira vez.

Mãe! Presente de Deus para minha vida!
Mãe, recebe hoje meu abraço e todo o meu carinho!
E, agora, gostaria que o meu agradecimento soasse mais forte do que todos os dias, porque hoje, mãe, é o teu dia!

 

As mais antigas celebrações do Dia da Mãe remontam às comemorações primaveris da Grécia Antiga, em honra de Rhea, mulher de Cronos e Mãe dos Deuses. Em Roma, as festas comemorativas do Dia da Mãe eram dedicadas a Cybele, a Mãe dos Deuses romanos, e as cerimónias em sua homenagem começaram por volta de 250 anos antes do nascimento de Cristo.

Durante o século XVII, a Inglaterra celebrava no 4º Domingo de Quaresma (40 dias antes da Páscoa) um dia chamado “Domingo da Mãe”, que pretendia homenagear todas as mães inglesas. Neste período, a maior parte da classe baixa inglesa trabalhava longe de casa e vivia com os patrões. No Domingo da Mãe, os servos tinham um dia de folga e eram encorajados a regressar a casa e passar esse dia com a sua mãe.

À medida que o Cristianismo se espalhou pela Europa passou a homenagear-se a “Igreja Mãe” – a força espiritual que lhes dava vida e os protegia do mal. Ao longo dos tempos a festa da Igreja foi-se confundindo com a celebração do Domingo da Mãe. As pessoas começaram a homenagear tanto as suas mães como a Igreja.

Nos Estados Unidos, a comemoração de um dia dedicado às mães foi sugerida pela primeira vez em 1872 por Julia Ward Howe e algumas apoiantes, que se uniram contra a crueldade da guerra e lutavam, principalmente, por um dia dedicado à paz.

A maioria das fontes é unânime acerca da ideia da criação de um Dia da Mãe. A ideia partiu de Anna Jarvis, que em 1904, quando a sua mãe morreu, chamou a atenção na igreja de Grafton para um dia especialmente dedicado a todas as mães. Três anos depois, a 10 de Maio de 1907, foi celebrado o primeiro Dia da Mãe, na igreja de Grafton, reunindo praticamente família e amigos. Nessa ocasião, a sra. Jarvis enviou para a igreja 500 cravos brancos, que deviam ser usados por todos, e que simbolizavam as virtudes da maternidade. Ao longo dos anos enviou mais de 10.000 cravos para a igreja de Grafton – encarnados para as mães ainda vivas e brancos para as já desaparecidas – e que são hoje considerados mundialmente com símbolos de pureza, força e resistência das mães.

Segundo Anna Jarvis seria objectivo deste dia tomarmos novas medidas para um pensamento mais activo sobre as nossas mães. Através de palavras, presentes, actos de afecto e de todas as maneiras possíveis deveríamos proporcionar-lhe prazer e trazer felicidade ao seu coração todos os dias, mantendo sempre na lembrança o Dia da Mãe.

Face à aceitação geral, a sra. Jarvis e os seus apoiantes começaram a escrever a pessoas influentes, como ministros, homens de negócios e políticos com o intuito de estabelecer um Dia da Mãe a nível nacional, o que daria às mães o justo estatuto de suporte da família e da nação.

A campanha foi de tal forma bem sucedida que em 1911 era celebrado em praticamente todos os estados. Em 1914, o Presidente Woodrow Wilson declarou oficialmente e a nível nacional o 2º Domingo de Maio como o Dia da Mãe.

Hoje em dia, muitos de nós celebram o Dia da Mãe com pouco conhecimento de como tudo começou. No entanto, podemos identificar-nos com o respeito, o amor e a honra demonstrados por Anna Jarvis há 96 anos atrás.

Apesar de ter passado quase um século, o amor que foi oficialmente reconhecido em 1907 é o mesmo amor que é celebrado hoje e, à nossa maneira, podemos fazer deste um dia muito especial.

E é o que fazem praticamente todos os países, apesar de cada um escolher diferentes datas ao longo do ano para homenagear aquela que nos põe no mundo.

Em Portugal, até há alguns anos atrás, o dia da mãe era comemorado a 8 de Dezembro, mas actualmente o Dia da Mãe é no 1º Domingo de Maio, em homenagem a Maria, Mãe de Cristo.  

sinto-me:
Pensado por Lucy às 21:56

Link do pensamento | O que pensas tu? | favorito

.E assim sou eu...

.Pesquisar pensamentos

 

.Agosto 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Pensamentos Recentes

. Saudade...

. Contigo

. Que o vento te leve…

. Pensamento solto...

. Baptizado do Guilherme di...

. 7 meses, 1 semana e 4 dia...

. Novidades

. Consulta do 2º mês

. A boa disposição...

. Consulta do 1º mês

.Arquivos

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Outubro 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Fevereiro 2004

.tags

. todas as tags

.Outros pensamentos

.subscrever feeds